welcome

Photobucket

Seguidores

Presentinho Da Minha Neta






Obs: Ela me chama de Nana eu amooooooooo

NÃO CHORES MAIS!!!




E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores.Lc:7.13

Se você ler todo esse texto,você verá o quão triste e deseperadora era a situação daquela mulher,quanta angústia ela estaria sentindo naquele momento.
Mas o interessante é que como  a biblia nos relata Deus é o nosso socorro bem presente na hora da angústia, e aquela viuva precisa ser socorrida de imediato,e quem estava perto, presente e atento a todo o sofrimento dela? Jesus.
Jesus passava, Jesus viu, Jesus foi movido de intima compaixão por aquela mulher,
A biblia nos relata isso,Jeus sente a tua dor ele sabe até aonde você suporta.As lágrimas rolavam sofridas pela face daquela mulher que pensava ter tudo se acabado para ela,e então ele se aproxima e lhe diz: Não chores, como não chorar parecia absurdo ja tinha perdido o esposo e agora tava enterrando seu único filho,Só que Jesus falou e agiu: NÃO CHORES, 
E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam), e disse: Jovem, a ti te digo: Levanta-te. E o defunto assentou-se, e começou a falar. 
E entegou-o a sua mãe.
Com Jesus é assim Ele muda situações Ele transforma a tristeza em alegria as lágrimas em sorriso,Ele devolve a esperança perdida.
Trouxe essa passagem hoje para que você saiba que não existe impossível para Deus.Se Ele transforma a morte em vida o que é o seu problema o meu problema para Ele?
Então tenhamos fé e convicção que mesmo que nossos problemas pareçam grandes Deus é muito maior.Deus é maior que a morte,Ele forte, sim Deus é maior. Amém!

Que Deus em Cristo te conceda um dia abençoado e de VITÓRIA ABSOLUTA!!!


MESMO QUE SEJA POUCO!!!



"E chamando Ele os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta pobre viúva deu mais do que todos os que deitavam ofertas no cofre; porque todos deram daquilo que lhes sobrava; mas esta, da sua pobreza, deu tudo o que tinha, mesmo todo o seu sustento" (Mateus 12:43, 44).



Conta-se que uma senhora estava enchendo uma caixa que seria mandada para a Índia quando um filho trouxe uma pequena moeda para que fosse enviada também para a obra missionária. Com a moeda a mãe comprou um folheto bíblico e colocou na caixa. O folheto foi entregue a um chefe birmanês que, após ler o folheto, entregou sua vida a Cristo. Logo o chefe quis contar a história de seu novo Deus e da sua felicidade para todos os amigos. Eles também creram e abriram o coração para o Salvador. Uma igreja foi construída no local e um missionário enviado para ensinar-lhes a Palavra de Deus. Cerca de 1.500 pessoas tiveram as vidas transformadas apenas porque uma criança ofereceu sua moeda para Deus.


Muitas vezes nos omitimos em ajudar na obra missionária porque achamos que o que temos é muito pouco e nada acrescentará no trabalho de Deus. Mas temos o exemplo daquela pobre senhora que foi vista pelo Senhor Jesus oferecendo algumas moedas. Seu exemplo é citado até hoje, dois mil anos depois, como gesto de fidelidade a Deus. Não é o valor de nossa oferta que conta para o Senhor, mas o desejo de compartilhar o que temos com os mais necessitados.


Tudo que entregamos a Deus, de coração, serve de bênção tanto para nós mesmos como para outras pessoas. O pouco que colocamos no altar do Senhor é multiplicado e grandes coisas acontecem. Um gesto de amor pode transformar uma vida, uma família, uma igreja. O que mais importa para nós é que o nosso testemunho confirme que somos filhos de Deus.


Mais do que entregar o nosso dinheiro, Deus deseja que produzamos frutos de vida eterna. Que sejamos gratos por tudo que dEle recebemos e que tenhamos prazer em compartilhar com o nosso próximo as bênçãos que do Céu têm sido derramadas sobre nossas vidas e casas. Um pouco de nosso sorriso se transforma em muito nas mãos do Senhor. Um pouco de nosso tempo pode ser multiplicado se estiver sendo dirigido por Ele. Um pouco de nosso louvor pode alegrar uma cidade inteira.


Não se mostre indiferente ao seu próximo. Ofereça-lhe alguma coisa, mesmo que seja bem pouco.

OLIMPIADAS




Há alguns anos, nas Olimpíadas Especiais de Seattle, nove participante, todos com deficiência mental ou física, alinharam-se para a largada da corrida dos 100m rasos.

Ao sinal, todos partiram, não exatamente em disparada, mas com vontade de dar o melhor de si, terminar a corrida e ganhar. Todos, com exceção de um garoto, que tropeçou no asfalto, caiu rolando e começou a chorar.

Os outros oito ouviram o choro, diminuíram o passo e olharam para trás. Então eles viraram e voltaram. Todos eles. Um das meninas, com Síndrome de Down ajoelhou, deu um beijo no garoto e disse: "Pronto, agora vai sarar"

E todos os nove competidores deram os braços e andaram juntos até a linha de chegada. O estádio inteiro levantou e os aplausos duraram muitos minutos.

E as pessoas que estavam ali, naquele dia, continuam repetindo essa história até hoje. Talvez os atletas fossem deficientes mentais... Mas com certeza, não eram deficientes da sensibilidade... Por que? Porque, lá no fundo, todos nós sabemos que o que importa nesta vida é mais do que ganhar sozinho. O que importa nesta vida é ajudar os outros a vencer, mesmo que isso signifique diminuir o passo e mudar decurso."

Amar ao
próximo como a si mesmo, é mais do que todos os holocaustos e sacrifícios.
Marcos 12:33b

O MILAGRE DA PESCA


Quando achamos que é o fim, Jesus nos oferece um recomeço. "Certa vez, quando a multidão apertava Jesus para ouvir a palavra de Deus, ele estava junto ao lago de Genezaré; e viu dois barcos junto à praia do lago; mas os pescadores haviam descido deles, e estavam lavando as redes. Entrando ele num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra; e, sentando-se, ensinava do barco as multidões. Quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao mar alto e lançai as vossas redes para a pesca. Ao que disse Simão: Mestre, trabalhamos a noite toda, e nada apanhamos; mas, sobre tua palavra, lançarei as redes. Feito isto, apanharam uma grande quantidade de peixes, de modo que as redes se rompiam. Acenaram então aos companheiros que estavam no outro barco, para virem ajudá-los. Eles, pois, vieram, e encheram ambos os barcos, de maneira tal que quase iam a pique. Vendo isso Simão Pedro, prostrou- se aos pés de Jesus, dizendo: Retira-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador. Pois, à vista da pesca que haviam feito, o espanto se apoderara dele e de todos os que com ele estavam, bem como de Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão. Disse Jesus a Simão: Não temas; de agora em diante serás pescador de homens. E, levando eles os barcos para a terra, deixaram tudo e o seguiram" (Lc.5.1-11). Aquele maravilhoso episódio marcou a vocação dos principais discípulos de Cristo: Pedro, Tiago e João. Podemos vislumbrar três momentos distintos na narrativa de Lucas. O primeiro é caracterizado pela DECEPÇÃO. Depois de uma noite de trabalho mal sucedido, aqueles pescadores desceram do barco e estavam lavando suas redes. Isto indicava o encerramento do expediente. Suas esperanças acabaram. Durante a noite, haviam empregado todos os seus recursos, conhecimentos e esforços na pesca, mas nada apanharam. Contudo, Jesus chegou e tudo mudou. A noite tinha terminado, mas o dia estava apenas começando. As trevas deram lugar à luz. Os pescadores pensavam que não poderiam pescar, mas Cristo tinham outro pensamento. Eles pescariam muito mais do que podiam imaginar. Aqueles homens representavam muito bem a situação de uma vida sem Cristo, marcada pelo fracasso e pela desilusão; mas aquele terrível momento foi a melhor oportunidade para um encontro com o Mestre. As piores circunstâncias podem ter efeito positivo, se buscarmos a Deus, permitindo que ele nos ajude. E, mesmo quando não o buscamos, ele procura por nós. Jesus foi até a praia, para alcançar aqueles pescadores. Muitas pessoas estão frustradas em vários aspectos de suas vidas e por isso estão desistindo de seus sonhos e planos, sejam profissionais, familiares e outros. Estão descendo do barco e lavando as redes. Estão abandonando a sua posição. Ao invés de descer do barco, devemos deixar que Jesus entre nele. Embora não parecesse, aqueles homens poderiam fazer muito mais do que tinham feito, mas não sem Jesus. Nós também, hoje, podemos ser bem sucedidos na vida, mas não sem Jesus. A situação mudou totalmente porque havia ali a PRESENÇA de Cristo, sua PALAVRA ordenando a pesca e o seu PODER para que o MILAGRE acontecesse. Porém, outros elementos seriam necessários: a FÉ e a OBEDIÊNCIA dos pescadores. Em qualquer área, dificilmente avançaremos sem fé. Na vida profissional, espiritual, ministerial ou familiar, precisamos acreditar em nossos sonhos, nosso potencial e possibilidades. Quem não tem fé, não sai da praia, não avança, não progride. Precisamos crer em nós mesmos. Afinal, Deus nos deu um potencial. Sabemos navegar e manusear o equipamento de trabalho; mas essa auto- confiança não pode ser tão grande ao ponto de nos julgarmos auto- suficientes. Acima de tudo, precisamos crer em Deus, pois é a sua palavra que garante a nossa pesca. Precisamos também acreditar nos irmãos que nos rodeiam, pois eles nos ajudarão a segurar a nossa rede. A opinião de Pedro era negativa, porque estava fundamentada no fracasso da experiência anterior. Contudo, ele reconheceu que a palavra do Mestre, ainda que contrária à sua expectativa, era digna de confiança. Pedro creu em Cristo. Da mesma forma, nós devemos aceitar a palavra de Deus, ainda que ela seja diferente da nossa opinião pessoal e esteja nos propondo algo improvável ou impossível. Jesus mandou que eles levassem o barco para alto mar e lançassem suas redes. Era preciso TRABALHAR um pouco mais, TENTAR novamente, ARRISCAR mais uma vez. Não podemos, simplemente, guardar as redes. Elas precisam ser usadas. Nossos talentos devem ser colocados em ação. Alguns milagres dependem da nossa participação. Existe ação humana e ação divina ocorrendo em conjunto para que coisas extraordinárias aconteçam. Em algumas situações, não basta orar; é preciso agir. Muitos querem que Deus faça tudo sozinho. De fato, ele já fez o que não poderíamos ter feito. Ele criou os peixes. Agora, a nossa parte é pescar, sob a direção e a bênção do Mestre. Cristo poderia ter dado ordem aos peixes para que pulassem dentro das embarcações. Seriam tantos que os barcos não suportariam. Porém, ele deu ordem aos pescadores. Eles precisavam participar. Deviam desamarrar o barco, abandonar a segurança da praia, ir para o alto mar e lançar as redes. Foi o que aconteceu. O resultado foi a captura de uma enorme quantidade de peixes. Se Pedro, Tiago e João, continuassem na praia lavando suas redes, nada aconteceria. A presença de Jesus, sua palavra e seu poder seriam desperdiçados. Os pescadores entraram então no segundo momento do episódio. Começaram o dia decepcionados, agora estavam MARAVILHADOS com Jesus. Este, porém, não era ainda o fim da história. Eles poderiam então propor uma sociedade com Cristo para que montassem uma grande empresa de pescados, afim de ganharem muito dinheiro. Entretanto, isto não aconteceu. Jesus tinha uma proposta diferente, pois o seu alvo não era material nem financeiro. Ele disse a Pedro: "de agora em diante serás pescador de homens". Este foi o terceiro momento: a hora do DESAFIO. O que Jesus tinha em mente para aqueles homens era muito mais do que eles poderiam imaginar. Aquela grande quantidade de peixes foi apenas um pequeno sinal do poder de Jesus. O que ele planejava era que Pedro, Tiago e João fossem pescadores de homens, tornando-se discípulos e apóstolos. Precisamos abrir os olhos. Talvez estejamos querendo apenas peixes. Deus tem muito mais para nós. Não podemos ficar limitados aos nossos pequenos desejos humanos, nosso pequenos barco, nossa pequena rede. Deus quer nos levar muito além de tudo isso. Se pensamos que já temos experimentado muito de Deus, estamos enganados. Quando julgamos que tudo está perdido ou encerrado, Deus vem nos conscientizar de que ainda podemos fazer muito mais, não sozinhos, mas tendo em nós a sua presença, sua palavra, seu poder, juntamente com a nossa fé e a disposição para obedecer. Sem Jesus, não há esperança. Com ele, não há limites para a ação do seu poder em nós.

Anísio Renato de Andrade
Bacharel em Teologia

VOCÊ É UM VASO



Vaso é um instrumento de uso e só se usa um vaso quando este está em perfeitas condições de uso, se o vaso estiver quebrado ou rachado e sujo ele esta impróprio para o uso é preciso que este vaso desça a casa do oleiro e este oleiro é Deus, na olaria de Deus o vaso é quebrado e desmanchado esmiuaçado, o vaso vira pó depois passa pela peneira de Deus e tira-se todo o cascalho toda impureza, depois Deus molha com a sua água que é a palavra de Deus, depois de molhado Deus amassa o barro, amassa o barro até chega a ponto de levar para torneadora (um instrumento de fabricação de vaso) e Deus coloca o barro na torneadora.
E leva de um lado para o outro manejando bem o torno divino, Deus faz do vaso quebrado, e moído um vaso novo e santo para uso do senhor, depois da torneadora Deus pega o vaso novo e perfeito que ele fizera e leva ao fogo para ser assado só depois de assado é que o vaso esta pronto para o uso do senhor. E você meu irmão? você é vaso? Que tipo de vaso você é? Você é vaso quebrado, você é rachado, ou você já virou pó e não é mais nada, ou você é vaso cru? se você é qualquer um desses vasos esta na hora de descer a presença de Deus, ou seja a olaria de Deus e deixe Deus te refazer de novo por que Deus quer vaso novo e assado bem assado!

O NOSSO CAMINHAR!



Se eu testifico de mim mesmo, o meu testemunho não é verdadeiro.( João 5:31)

Para quem trabalha com relações humanas no trabalho, mais conhecido como RH ou departamento de recursos humanos sabe que entre dois candidatos para uma mesma vaga, sendo ambos avaliados igualmente na sua formação escolar , como na experiências vividas no departamento onde estão se candidatando, provavelmente o critério para a contratação deste funcionário será dado nas informações obtidas nos seus empregos anteriores, ou caso este candidato venha indicado por alguém que o conhece muito bem e dá o seu aval para ele.Resumindo, o seu testemunho de vida fará a diferença por onde quer que andares.

Ser Cristão, não é apenas freqüentar uma igreja e parecer ser santo, mas o seu andar no dia a dia, as pessoas com quem andas ou que está te observando, serão as suas testemunhas.

Assim, quanto mais andarmos em amor , na mansidão, seguindo os mandamentos de Cristo, mais o mundo verá que somos diferentes, afinal de contas somos a luz do mundo, conforme o Mestre pronunciou.

Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.(Mateus 5;14 a 16)

Conta-se um história de um jardineiro, que passando por um casa com lindo jardim perguntou se poderia numa oportunidade aparar a grama e deixar o jardim sempre arrumado, o proprietário aceitou a proposta e dias depois apareceu e fez um ótimo trabalho no jardim, limpando deixando mais lindo ainda e no término de sua jornada perguntou ao patrão se poderia fazer uma ligação e foi atendido.

Ligando para o destino, perguntou se naquela casa precisavam de um jardineiro e a resposta foi não, já temos um que nos atende perfeitamente, insistindo , disse que além de roçar a grama, apara as folhagens, limpa todas as ferramentas e leva o lixo para o local certo, a resposta veio que o jovem que trabalha com eles faz a mesma coisa, insistiu mais um pouco e disse que o seu preço é muito bom, e a resposta veio em seguida, o que pagamos para o nosso jardineiro é um preço justo e estamos muito contentes com ele. O jardineiro agradeceu e desligou o telefone.

O seu patrão que estava ouvindo a conversa, disse , lamento por não ter conseguido aquele local para o seu serviço,, o jovem sorriu e disse, na verdade meu patrão, eu trabalho naquele lugar, só queria ver se os meus serviços estão sendo prestados satisfatoriamente.

E por falar nisto, como está o seu caminhar?

Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.

Deus te abençoe

Paulo Sergio

MOMENTO DE REFLEXÃO


Meditação: Contudo, sempre estou contigo; tomas a minha mão direita e me susténs. (Salmo 73:23)

Pensamento: Deixe que Deus o segure; confie nEle.

Leitura: Salmo 73.

Mensagem:

Segurando Sua Mão


Uma das alegrias de estar com crianças é segurar as suas mãos. Nós o fazemos para que estejam seguras quando atravessamos a rua ou para que não se percam numa multidão. E sempre que tropeçam e escorregam, nós agarramos suas pequeninas mãos com mais firmeza para evitar que caiam.

É isso o que Deus faz conosco. É inevitável que haja pedras e rachaduras que nos fazem tropeçar nas calçadas da vida. É por isso que podemos nos identificar facilmente com o salmista quando diz: "Quanto a mim, os meus pés quase tropeçaram" (Salmo 73:2).

Todos nós enfrentamos uma variedade de questões que ameaçam nos fazer tropeçar. Para o salmista Asafe, ver a prosperidade dos perversos fez com que ele questionasse a bondade de Deus. Mas Deus apertou a sua mão e assegurou-lhe que, segundo o julgamento de Deus, os perversos na realidade não prosperam. O salmista descobriu que verdadeira prosperidade se encontrava no fato de que Deus sempre estava com ele: "… tomas a minha mão direita e me susténs" (Salmo 73:23). E além disso, Deus lembrou-o que também o guiaria pela vida e por fim lhe daria as boas-vindas no lar celestial (Salmo 73:24). Como isso é bom!

Assim, da próxima vez que você tropeçar, lembre-se que a mão poderosa de Deus está segurando a sua mão e conduzindo-o pela vida – todo o caminho até o céu!


FONTE:

Joseph M. Stowell

Nosso Andar Diário



SEMENTES E FRUTOS



Queremos bons frutos, bons resultados, em todas as áreas da vida, mas
nem sempre valorizamos as sementes. Lutamos com as conseqüências por
termos sido pouco atenciosos com as causas. Se desejamos grandes
realizações, não podemos desvalorizar os começos humildes. Quem é
fiel no pouco será colocado sobre muito (Mt.25.21).
Os frutos, de modo geral, com suas cores e sabores, são muito
atraentes. As sementes, porém, são bem discretas. Muitas delas são
desprezadas, embora possuam grande poder genético para a
multiplicação e perpetuação de suas espécies.

Presente e Futuro

Não podemos nos esquecer de que as sementes de hoje estão diretamente
relacionadas aos frutos de amanhã. A preguiça de hoje trará
necessidades amanhã. As ações do presente podem retornar em
quantidade multiplicada.
Todos são semeadores. Estamos sempre semeando para nós e para os
outros. De modo muito especial, os pais semeiam na vida dos filhos.
Devemos fazê-lo com muito zelo, persistência e responsabilidade.

Pequeno hoje, grande amanhã

Os grãos, mesmo que sejam pequenos, podem gerar grandes plantas,
inclusive árvores gigantescas. Pequenas sementes podem produzir
grandes frutos. É o caso das melancias.
Pequenos gestos, palavras, ensinamentos e exemplos podem trazer
grandes conseqüências, boas ou ruins. Alguns atos, realizados em
poucos minutos, podem determinar o rumo de uma vida, marcando o
futuro de modo indelével. Nossas atitudes e decisões produzirão
muitos frutos, conforme a espécie que escolhemos para semear.
As sementes são poderosas. Muitas são desvalorizadas e passam
despercebidas. Algumas, tendo germinado em local impróprio, produzem
árvores tão fortes que são capazes de romper grandes estruturas.
"É semelhante ao grão de mostarda que um homem, tomando-o, lançou na
sua horta; e cresceu, e fez-se grande árvore, e em seus ramos se
aninharam as aves do céu" (Lc.13.19; Mc.4.31).

Cuidado com as sementes

É preciso vigilância em relação às sementes que estamos lançando no
solo da nossa vida e também com aquelas que as outras pessoas lançam
a todo instante. Precisamos ficar atentos, rejeitando tudo aquilo que
possa nos contaminar.
"O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia a boa semente no
seu campo; Mas, dormindo os homens, veio o seu inimigo, e semeou joio
no meio do trigo, e retirou-se (Mt.13.24-25)

. Observe que Satanás
também é um semeador.

Espalhar sementes pode ser fácil. Recolhê-las pode ser muito difícil,
desaconselhável ou até impossível. Portanto, não podemos ser
irresponsáveis. A colheita será árdua, se não tivermos plantado o
bem. Comer os frutos poderá ser um grande sofrimento do qual não
poderemos nos esquivar. É muito fácil dizer palavras ofensivas,
mentiras, calúnias, maledicências. Entretanto, os danos causados
poderão ser irreparáveis.
Nesta linha de raciocínio podemos avaliar a seriedade da questão
sexual. A semente humana gera o fruto do ventre (Salmo 127.3), e isso
não pode ser realizado de modo leviano. Quantos estão espalhando sua
valiosa semente por aí, como se Deus não fosse lhes pedir contas a
esse respeito!

Sementes boas ou más

É fácil a constatação de que sementes ruins prosperam por si mesmas.
As boas precisam de muitos cuidados, pois são alvo de predadores
diversos.
"Eis que o semeador saiu a semear. E, quando semeava, uma parte da
semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves, e comeram-na"
(Mt.13.4).

A semente da palavra

A palavra de Deus é a bendita semente celestial (Lc.8.11; Mt.13.24).
Precisamos recebê-la todos os dias em nosso coração, cuidando para
que ela não se perca. A germinação não é automática. Precisamos
aceitar a palavra e tomar decisões no sentido de aplicá-la em nossas
vidas. Só assim, ela produzirá frutos. De nada adianta deixar a
bíblia guardada na estante ou aberta sobre a mesa. A semente precisa
estar no coração e na vida. Precisa ser cultivada e cuidada para que
produza.
"Pela manhã semeia a tua semente, e à tarde não retires a tua mão,
porque tu não sabes qual prosperará, se esta, se aquela, ou se ambas
serão igualmente boas" (Ec.11.6).

Atenção, semeadores!

O inimigo está atento à semeadura da palavra de Deus (Mt.13.4,19)
. A
leitura bíblica, a pregação, o ensino e a meditação não lhe passam
despercebidos. Ele logo procura um meio de prejudicar a ação da
semente na vida do homem, conforme vemos na parábola do semeador,
proferida pelo Senhor Jesus:

"Ouvindo alguém a palavra do reino, e não a entendendo, vem o
maligno, e arrebata o que foi semeado no seu coração; este é o que
foi semeado ao pé do caminho" (Mt.13.19).

Certamente, o inimigo está muito interessado em parar o trabalho dos
semeadores. Aqueles que anunciam a Palavra de Deus devem estar sempre
atentos. Uma das formas de ataque de Satanás é algo muito sutil. Ele
simplesmente lança outra semente naquele mesmo terreno, uma outra
palavra em oposição ao que Deus falou (Gn.3.4).

Semear pode parecer um despedício de sementes e uma perda de tempo.

Quando a semente cai na terra, ocorre uma explosão imediata, e
aparece uma planta enorme? Nada disso. Naquele instante nada
acontece. O ato de semear parece inútil e inofensivo. Contudo, o
tempo passa e tudo muda. A planta cresce e pode vir a produzir
inúmeros frutos. Uma única semeadura, pode render muitas colheitas. É
o que acontece com as árvores frutíferas.
O pregador do evangelho, ou aquele que ensina a palavra de Deus, pode
não ver resultados imediatos do seu esforço, mas não deve desistir.
"Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem
dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos" (Salmo 126.6).

Não podemos ser omissos. Se temos boas sementes, devemos semear.

"Semeai para vós em justiça, ceifai segundo a misericórdia; lavrai o
campo de lavoura; porque é tempo de buscar ao Senhor, até que venha e
chova a justiça sobre vós" (Os.10.12).

"Então te dará chuva sobre a tua semente, com que semeares a terra,
como também pão da novidade da terra; e esta será fértil e cheia;
naquele dia o teu gado pastará em largos pastos" (Is.30.23).

Se a semente é boa, mas nada está acontecendo, não desanime. Espere.
Por outro lado, se a semente é ruim e a consequência parece não vir,
não pense que Deus deixará o culpado na impunidade. Todo pecado é
uma semente maligna. O fruto da maldade virá no tempo certo e
alcançará aquele que o plantou.

A ceifa

Além de sermos semeadores, somos também ceifeiros, ainda que não
queiramos. Não podemos ignorar ou menosprezar isso.
"O que semear a perversidade segará males; e com a vara da sua
própria indignação será extinto" (Pv.22.8).
O arrependimento e a conversão aplacam os maiores danos que o pecado
possa produzir, mas não todos. Portanto, a prevenção continua sendo
o melhor remédio.
"Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem
semear, isso também ceifará" (Gál.6.7).

Cuidado com as sementes misturadas

"Não semearás a tua vinha com diferentes espécies de semente, para
que não se degenere o fruto da semente que semeares, e a novidade da
vinha". (Dt.22.9).

Algumas pessoas querem servir a dois senhores, como se isso fosse
possível. Espalham boas sementes no domingo e semeiam a maldade nos
outros dias da semana. Não podemos fazer isso. Aquele que anuncia o
evangelho, mas não vive de acordo com a verdade, matará as boas
plantas que tentou cultivar.

Escolha boas sementes e espere bons frutos.

"Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para
comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa
justiça" (IICo.9.10).

Anísio Renato de Andrade
Bacharel em Teologia
www.geocities.com/anisiorenato

MUITO LINDO

VAMOS REFLETIR


CUIDE DO MAIS IMPORTANTE


Um jovem recebeu do rei a tarefa de levar uma mensagem e alguns diamantes a um outro rei de uma terra distante. Recebeu também o melhor cavalo do reino para levá-lo na jornada. No dia viagem o soberano ao se despedir disse-lhe:

- Cuida do mais importante e cumprirás a missão!

Assim, o jovem preparou o seu alforje, escondeu a mensagem na bainha da calça e colocou as pedras numa bolsa de couro amarrada à cintura, sob as vestes. Pela manhã, bem cedo, sumiu no horizonte. E não pensava sequer em falhar.

Queria que todo o reino soubesse que era um nobre e valente rapaz, pronto para desposar a princesa. Aliás, esse era o seu sonho e parecia que a princesa correspondia às suas esperanças.

Para cumprir rapidamente sua tarefa, por vezes deixava a estrada e pegava atalhos que sacrificavam sua montaria. Assim, exigia o máximo do animal.

Quando parava em uma estalagem, deixava o cavalo ao relento, não lhe aliviava da sela e nem da carga, tampouco se preocupava em dar-lhe de beber ou providenciar alguma ração.

Um dia alguém vendo os maus tratos do animal disse-lhe:

Assim, meu jovem, acabarás perdendo o animal. E ele respondeu: Não me importo, tenho dinheiro. Se este morrer, compro outro. Nenhuma falta fará

Com o passar dos dias e sob tamanho esforço, o pobre animal não suportando mais os maus tratos, caiu morto na estrada. O jovem simplesmente o amaldiçoou e seguiu o caminho a pé.

contece que nessa parte do país havia poucas fazendas e eram muito distantes umas das outras. Passadas algumas horas, ele se deu conta da falta que lhe fazia o animal. Estava exausto e sedento.

Já havia deixado pelo caminho toda a tralha, com exceção das pedras, pois lembrava da recomendação do rei:

- Cuide do mais importante!

Seu passo se tornou curto e lento. As paradas, freqüentes e longas.

Como sabia que poderia cair a qualquer momento e temendo ser assaltado, escondeu as pedras no salto de sua bota. Mais tarde, caiu exausto no pé da estrada, onde ficou desacordado.

Para sua sorte, uma caravana de mercadores que seguia viagem para o seu reino, o encontrou e cuidou dele. Ao recobrar os sentidos, encontrou-se de
volta em sua cidade.

Imediatamente foi ter com o rei para contar o que havia acontecido e com a maior desfaçatez, colocou toda a culpa do insucesso nas costas do cavalo "fraco e doente" que recebera e disse:

- Porém, majestade, conforme me recomendaste, "cuidar do mais importante", aqui estão as pedras que me confiaste. Devolvo-as a ti, não perdi uma sequer.

O rei as recebeu de suas mãos com tristeza e o despediu, mostrando completa frieza diante de seus argumentos. Abatido, o jovem deixou o palácio arrasado.

Em casa, ao tirar a roupa suja, encontrou na bainha da calça a mensagem do rei, que dizia:

"Ao meu irmão, rei da terra do Norte. O jovem que te envio é candidato a casar com minha filha. Esta jornada é uma prova. Dei a ele alguns diamantes e um bom cavalo. Recomendei que cuidasse do mais importante.

Faz-me, portanto, este grande favor e verifique o estado do cavalo. Se o animal estiver forte e viçoso, saberei que o jovem aprecia a fidelidade e força de quem o auxilia na jornada. Se porém, perder o animal e apenas guardar as pedras, não será um bom marido nem rei, pois terá olhos apenas para o tesouro do reino e não dará importância à rainha nem àqueles que o servem".

Comparamos esta história com o ser humano que segue sua jornada na vida, tão preocupado com seu exterior, isto é, com os bens, que tudo guarda como se fosse ouro, esquecendo de alimentar sua alma e espírito com a alegria e o amor de Deus.

Não ajunteis tesouros na terra,onde a traça e a ferrugem tudo consomem,e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntai tesouros no céu,onde nem a traça nem a ferrugem consomem,e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro,aí estará também o vosso coração.
Mt.6:19,20,21

Deus abençoe a todos!







BOA TARDE COM JESUS



Scraps de Agradecimento e outros em Scraps Gospel ®




JOVEM DESPERTE ATRAVÉS DA PALAVRA E DA ORAÇÃO,ENTRE NO CAMINHO QUE DEUS PREPAROU PRA VOCÊ E VIVA...

O REI AMOM


Sucesso, pecado e morte de um jovem monarca

"Amom tinha vinte e dois anos quando começou a reinar, e reinou dois
anos em Jerusalém. O nome de sua mãe era Mesulemete, filha de Haniz,
de Jotba. Ele fez o que era mau aos olhos do Senhor, como fizera
Manassés, seu pai; e andou em todo o caminho em que seu pai andara, e
serviu os ídolos que ele tinha servido, e os adorou. Assim deixou o
Senhor, Deus de seus antepassados, e não andou no caminho do Senhor.
E os servos de Amom conspiraram contra ele, e o mataram em sua casa"
(IRs.21.19-23)

.

Desejos

Os jovens querem fazer, adquirir, sentir, realizar e, quanto mais
rápido o fizerem, pensam que será melhor. O desejos estão à flor da
pele. Além daqueles relacionados ao físico e às emoções, a juventude
é também um tempo de sonhos e projetos culturais, profissionais e
familiares. Parece que todo o tempo é pouco e todas as energias se
mostram insuficientes para se fazer tudo o que se pretende e se quer.
Existem desejos legítimos e bons. Há também os incorretos e maus. Até
mesmo aqueles que julgamos naturais podem se tornar malignos, se
forem realizados antes do tempo.
Muitas coisas, porém, podem ser feitas e conquistadas. Deus nos deu
esta capacidade e oportunidade.

"Alegra-te, mancebo, na tua mocidade, e anime-se o teu coração nos
dias da tua mocidade, e anda pelos caminhos do teu coração, e pela
vista dos teus olhos; sabe, porém, que por todas estas coisas Deus te
trará a juízo" (Ec.11.9).

Realizações

Amom era bem moço quando assumiu o trono de Judá. Com apenas 22 anos,
ocupou o lugar de seu pai Manassés. À primeira vista, Amom podia
parecer um exemplo de sucesso e prosperidade. Ele alcançou poder e
riqueza. Grande conforto e fartura estavam à sua disposição. E se
alguma coisa lhe faltasse, seria adquirida com a maior urgência.
Todos os prazeres e aquisições estavam ao seu alcance. O que tantos
almejam hoje Amom possuía: dinheiro, posição, título e reconhecimento
internacional.
Muitos eram os fatores que justificavam a sua grandeza. Amom era
descendente do rei Davi. Reinava sobre Judá, que era parte da nação
de Israel, povo de Deus. Seu trono estava em Jerusalém, a cidade
santa, e, sob sua jurisdição, estava o Templo de Salomão. Além de
tudo, uma honra futura lhe estava reservada sem que ele soubesse: seu
nome apareceria na mais importante genealogia bíblica, pois de sua
linhagem nasceria o Messias, Jesus Cristo (Mat.1.10).

O grande erro

Apesar de todo o seu sucesso exterior, Amom falhou no principal. O
texto diz que "ele fez o que era mau aos olhos do Senhor". Aos olhos
humanos, o rei podia ser o máximo, mas diante da avaliação celestial,
seu saldo era extremamente negativo.
Podemos correr atrás dos nossos sonhos e realizar muitos deles. Se,
porém, falharmos na nossa relação com Deus, nada terá valor.
Nossos desejos e projetos podem ser legítimos e muito importantes,
mas não podemos errar ao estabelecer a ordem de prioridades da nossa
vida. O sucesso material é importante, mas não é tudo porque, além
de ter um corpo, o homem tem alma e espírito. Se estamos tão
ocupados com as coisas terrenas que não temos tempo para Deus, nossa
vida está muito errada.

Os caminhos da vida

O texto bíblico nos informa que Amom "andou em todo o caminho em que
seu pai andara". Caminho é modo de vida, é procedimento. Nossos
caminhos são resultados das escolhas que fazemos. Amom era uma
pessoa importante e bem posicionada diante da sociedade, mas os seus
caminhos eram maus.
Se alcançarmos todas as coisas deste mundo, tudo que o nosso coração
desejar, mas tivermos um mau procedimento aos olhos de Deus, nada
terá valor. Vale citar o exemplo de alguns políticos, chamados
cristãos, que galgam posições elevadas na vida pública e depois se
mostram corruptos e desonestos. Sua glória converteu-se em infâmia e
vergonha.
O rei Amom preferiu abandonar ao Senhor e seguir aos ídolos. Ele
achou que, sendo rei, poderia fazer o que quisesse. Muitos têm essa
atitude hoje e dizem: "Eu faço o que quero, e ninguém tem nada com
isso." Amom se esqueceu de que existe um Rei nos céus e que todos nós
somos seus servos.

As causas do problema

A passagem do livro dos Reis cita os nomes da mãe e do pai de Amom.
Fica evidente a responsabilidade dos pais na condução inicial da vida
dos filhos. O rei Salomão escreveu: "Instrui o menino no caminho em
que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele"
(Pv.22.6).
Manassés não ensinou as boas veredas a Amom. O filho andou no caminho
do pai. Seguiu o exemplo maligno que tinha dentro de casa. O
resultado foi sua ruína. Embora o pai Manassés tivesse se
arrependido no final da vida (IICr.33.13)
, o filho não o acompanhou
nessa experiência. Era tarde demais para consertar uma vida de maus
ensinos e maus exemplos.
Hoje, muitos jovens estão aprendendo os maus caminhos através das más
influências. Quando não são os pais, são os amigos que surgem para
ensinar a iniqüidade.

Manassés deixou uma herança material magnífica para Amom, tudo o que
ele podia precisar para viver uma vida longa de abastança e
satisfação. Contudo, deixou também uma herança maldita: a idolatria.
É normal que os pais se preocupem com o futuro dos filhos e tomem
todas as providências possíveis para que eles tenham educação,
formação profissional e capacidade de se manterem. Muitos se
responsabilizam até pelas despesas dos filhos adultos, seja com a
moradia, a faculdade, etc. Mas, qual é o legado espiritual que
deixamos para os nossos descendentes? É claro que o filho de um
ímpio pode se converter e se transformar num homem íntegro diante de
Deus, mas, se os pais puderem ensinar o caminho da justiça, falando e
vivendo a palavra de Deus, instruindo os filhos para que sirvam e
adorem ao único Deus verdadeiro, será mais provável que suas
histórias sejam marcadas pelas bem-aventuranç
as, de modo que escapem
de muitos sofrimentos, prejuízos e tragédias que o pecado causa.
Os pais não podem ser omissos. Diante de Deus são responsáveis pela
orientação dos filhos. Não existe neutralidade nessa questão.

Uma vida de pecado

Amom "andou em todo o caminho em que seu pai andara, e serviu os
ídolos que ele tinha servido, e os adorou". O pecado da idolatria
tornou-se uma constante na vida daquele rei. Paralelo a todo o seu
sucesso material, político e financeiro, estava a prática da adoração
aos ídolos. Deus abomina a idolatria, que consiste em elevar alguém
ou alguma coisa à condição de divindade, usurpando uma honra que só
ao Senhor pertence.

As conseqüências

Amom chegou ao ápice de suas aspirações quando ascendeu ao trono de
Judá. Todavia, seu reinado durou apenas dois anos. Ele não estava
servindo a Deus, mas aos ídolos. Quem serve aos ídolos, serve aos
demônios (ICor.10.20)
. Quem serve ao Diabo e aos seus anjos pode ser
ceifado antes do tempo.
"E os servos de Amom conspiraram contra ele, e o mataram em sua
casa". Por mais que o rei se protegesse e se cercasse de segurança,
a morte prematura o alcançou dentro de sua própria casa.
Ninguém deve pensar que escapará aos efeitos do pecado. Ainda que a
morte física pareça tardar, a morte espiritual é uma realidade
presente.
Não existe posição, título, riqueza ou autoridade que coloque alguém
acima dos preceitos divinos ou garanta imunidade diante das
consequências do pecado.
Embora vivamos num contexto muito diferente do rei Amom, a natureza
humana continua a mesma. Muitos jovens estão vivendo longe dos
caminhos do Senhor e inúmeros são aqueles que têm suas vidas
encerradas prematuramente. As ofertas do mundo são muitas. Vícios,
violência e prazeres ilícitos têm destruído muitas vidas.
Satanás pode oferecer muitas coisas ao homem neste mundo, mas pode
também recolher a sua alma, caso Deus o permita.
O texto sobre Amom apresenta um balanço da sua existência. Um dia, a
vida de cada ser humano será avaliada pelo Senhor, mas será muito
tarde para consertar o que houve de errado.
Muitas pessoas pensam em "aproveitar" a vida e buscar ao Senhor
apenas na velhice. Amom morreu aos vinte e quatro anos. Não teve a
oportunidade de envelhecer.
O dia de hoje é oportuno, portanto, para que tomemos uma decisão
inteligente: de servir a Deus e adorar somente a ele.

"Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham
os maus dias, e cheguem os anos dos quais dirás: Não tenho neles
contentamento" (Ec.12.1).


Anísio Renato de Andrade
Bacharel em Teologia
www.geocities.com/anisiorenato




CRISTÃO ESTRESSADO





Onde está Deus nessa história?

Nos dias de hoje, existem inúmeros cristãos sofrendo de estresse dentro das igrejas. Mas como pode isso? Pessoas que conhecem o poder da Palavra de Deus se deixarem envolver pelos problemas do mundo. A resposta é bastante simples: Pessoas que vivem o mundo natural não desfrutam do sobrenatural.

Ora, o que mais se vê dentro das igrejas, atualmente, são pessoas vivendo a fé na fé. Elas não depositam a sua confiança em Deus, mas na fé. Acreditam que acreditam. As bênçãos de Deus, no entanto, só se manifestam na vida de uma pessoa quando ela passa pela cruz. Passar pela cruz não é sinônimo de sofrimento, mas de obediência e doação. “Sem santificação, ninguém verá a Deus.”

Deus não planejou uma vida de estresse para o homem. Em 1 Pedro 5.6-7 está escrito: Portanto, humilhem-se debaixo da poderosa mão de Deus, para que ele os exalte no tempo devido. Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês.
Pedro deixou uma cola para todo cristão: Humilhem-se debaixo da poderosa mão de Deus. Certamente, a melhor e mais eficaz arma contra o estresse é a obediência a Deus.

Pedro enxergou que não há como ter paz fora da vontade de Deus. Quanto mais o homem se afasta de Deus, mais se aproxima da frustração, da ansiedade e do medo.
Do contrário, quando se humilha na presença do Senhor, é levado a uma condição de dependência, em que precisa confiar em Deus. É exatamente disso que o Senhor se agrada no ser humano.

Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês. O verbo lançar, significa, jogar, arremessar, e isso vale para o estresse também. Quando o homem toma a atitude de lançar sobre Deus os seus medos e preocupações, dá a Ele sinal verde para que possa tratar todas as áreas de sua vida. Áreas que certamente você não consegue controlar. É aí que entra a providência divina.

Eis aqui uma grande revelação de cura para o cristão que se encontra estressado: Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o coração e a mente de vocês, em Cristo Jesus. (Filipenses 4.6,7)

ALELUIA!!!! JESUS ESTÁ VIVO!!!RAZÃO DA NOSSA VIDA.

JESUS ESTÁ VIVO


NADA DE AROMAS

Quando Maria e as outras mulheres foram visitar o túmulo de Jesus jamais imaginaram encontrar outra coisa a não ser um corpo inerte e em decomposição. Por isso elas levaram aromas. O que nos intriga, é entender qual era o sentimento que mais tomava conta daquelas mulheres; a desilusão, a tristeza, a decepção, a saudade, a dor? Qual era a razão que movia aqueles corações partidos? Por que se arriscaram indo até aquele lugar tão vigiado? Por que só as mulheres?

Onde estavam os Seus Apóstolos? Como elas administravam em suas mentes as lembranças maravilhosas de um Jesus vivo, com a tarefa de embalsamar um Jesus morto? São tantas perguntas, que certamente nos levariam a devagar sem que chegássemos a lugar nenhum! Mas, com uma coisa temos que concordar: jamais esperavam encontrar Jesus Vivo da forma como O conheciam.

Para todos , Aquele Mestre que ensinava com autoridade de Autor, que se dizia o Próprio Filho de Deus, que fizera o mar se acalmar, os ventos calarem diante de Sua voz, Aquele diante do qual a morte recuou devolvendo a vida a Lázaro... Agora, para aquelas corajosas mulheres, Aquele Jesus "inevitavelmente fedia"...

Qual não deve ter sido a surpresa, principalmente de Maria Madalena, ao deparar-se com o túmulo vazio. Mas, ainda assim, a única coisa que conseguiram imaginar foi: "Roubaram o nosso defunto"! Não foi assim quando Jesus apareceu no meio do jardim, foi logo confundido com um jardineiro e bruscamente inquirido: "Onde colocaste nosso Mestre"?

Esta é uma grande realidade que tanto se repete em nosso meio. Esmorecemos nossa esperança, as lágrimas ofuscam o nosso olhar, e quando isso acontece inevitavelmente perdemos a real visão e dimensão do nosso Mestre. O mantemos no coração, na lembrança apenas, mas, esquecemos Suas promessas.

Não foi assim que aconteceu com todos os que andavam com Ele? Por isso mesmo, pensando em nós, disse: "Muito mais felizes serão os que não viram e creram"! Nós cremos sem temos visto.

Se por um acidente qualquer dessa vida cristã, você se encontra esmorecido podendo até já ter perdido a esperança - ANIME-SE! O seu Redentor vive! Ele pode "aparentemente" se apresentar até mesmo como um “jardineiro", mas se assim lhe parece a questão é olhar outra vez, olhar com os olhos da Fé e então você irá enxergá-lO outra vez, Maravilhoso como nunca!

Tente outra vez! Já é hora d´Ele voltar a ser visto como o Filho de Deus que jamais hesitou em nos salvar na cruz do calvário. Pelo contrario, se fez maldição em nosso lugar... Reconsidere suas atitudes para com Ele. Proclame-O ao mundo; diga a todos que O seu Redentor vive! Diga que Ele venceu a morte para que tenhamos Viva, e Vida em abundância!

O que faz a diferença entre nós cristãos e os de outras religiões, é que o nosso Redentor vive!

Maranata! Vem Senhor Jesus!

REFLEXÃO

Dando Um Passo

Os pesquisadores colocaram placas coloridas ao longo dos degraus de uma escadaria num shopping na Inglaterra, alertando: “Subir as escadas protege o seu coração”. Durante seis semanas, o número de pessoas que escolheram subir por aquela escada, em vez de usar a escada rolante duplicou. Os pesquisadores dizem que cada degrau é importante e que em longo prazo, o hábito só mudará se as placas forem vistas regularmente.
A Bíblia está repleta de “alertas”, encorajando-nos a obedecer ao Senhor e segui-lo de todo o coração. Pouco antes do povo de Israel entrar na Terra Prometida, Deus lhes disse: “Vê que proponho, hoje, a vida e o bem, a morte e o mal… escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, amando o Senhor teu Deus, dando ouvidos à sua voz e apegando-te a ele; pois disto depende a tua vida e a tua longevidade” (Deuteronômio 30:15,19-20).
Muitas vezes esperamos que nossas vidas mudarão através de um salto gigante de fé, de uma decisão importante ou de um trabalho significativo. Na verdade, a única maneira de mudarmos é dar um passo de cada vez, e cada passo é importante.
Hoje, vamos observar os sinais de alerta e dar um passo de obediência sincera em direção ao Senhor.
Meditação: Amando o Senhor, teu Deus, dando ouvidos à sua voz e apegando-se a ele; pois disto depende a tua vida e a tua longevidade. (Deuteronômio 30:20)
Pensamento: Um pequeno passo de obediência torna-se um grande passo para receber bênçãos.
Leitura: Deuteronômio 30:15-20.

UMA LINDA NOITE COM JESUS!


Finda-se este dia que meu Pai me deu; sombras vespertinas cobrem já o céu.

Ó Jesus bendito, se comigo estás, eu não temo a noite: vou dormir em paz.

Hoje, com pecados, eu te entristeci, mas perdão Te peço, por amor de Ti.

Sou Teu pequenino: livra-me do mal, e em sossego alcanço pouso natural.

Guarda o marinheiro no violento mar, e ao que sofre dores queiras confortar.

Ao tentado estende Tua mão, Senhor; manda ao triste e aflito o Consolador.

Pelos pais e amigos, pela santa Lei, pelo amor divino graças Te darei.

Ó Jesus, aceita minha petição, e seguro durmo, sem perturbação.

MENSAGEM DE FÉ



O PERFUME PRECIOSO


Estando em casa de Simão para o jantar, Cristo foi homenageado por uma mulher, chamada Maria, que derramou sobre ele todo o nardo contido em um vaso de alabastro. Toda a casa se encheu daquele perfume maravilhoso, atraindo a atenção de todos os presentes, inclusive dos discípulos, que disseram: "Que desperdício! Poder-se- ia vender este perfume e dar o dinheiro aos pobres". Ao que Cristo respondeu: "Aos pobres, sempre tendes convosco, mas a mim, nem sempre tereis" (Mateus 26). Tal episódio de rara beleza nos impressiona e ensina. O ato de Maria surpreendeu a todos e até hoje surpreende. Jesus disse que onde o evangelho fosse pregado, aquela ação seria mencionada. Naquele tempo, era comum às jovens fazerem suas economias para comprarem o nardo, um perfume muito caro. A essência ia sendo juntada em um vaso a fim de ser utilizada na noite de núpcias. Pensando nesses detalhes, notamos o quanto era importante aquele vaso de perfume para sua possuidora. Representava suas economias, talvez até realizadas com sacrifício, e simbolizava também seus sonhos, seus ideais referentes ao matrimônio e à família. Quanto valor colocado e representado por um vaso de perfume! O que Maria fez? Derramou todo aquele perfume sobre Cristo. Isso foi mais do que uma homenagem; foi uma entrega total. É como se ela dissesse: "Senhor, eu entrego a ti tudo o que sou. Eu entrego o melhor que possuo, meus sonhos, meus desejos, meus ideais, meus planos e objetivos". Foi um ato de dedicação absoluta. Notamos que ela não derramou um outro líquido que pudesse ser mais barato e conseguido com mais facilidade, como água, por exemplo. Maria deu o que possuía de mais precioso. Isso nos ensina a dar o melhor para Deus, fazer o melhor para ele, mesmo que nos custe um preço alto. O ato de "derramar" nos traz três lições: Dedicação exclusiva - Tendo derramado todo o perfume sobre Jesus, Maria não poderia mais prestar essa homenagem a outra pessoa. Tendo o compromisso que temos com Cristo, não podemos tê-lo com um ídolo. Nada restou do nosso perfume que possa ser dado a um outro deus. Dedicação sem reservas - Ela não guardou um pouco do perfume para si mesma. Não haverá nenhuma área da nossa vida que não esteja sob o domínio do Senhor. Somos dele por completo. Dedicação sem retorno - Uma vez derramado, o perfume não podia ser retomado ou recuperado. Não vamos, amanhã ou depois, pedir ao Senhor que nos devolva o que lhe entregamos. Não vamos desistir da nossa aliança com ele. Se derramamos nossa alma diante do Senhor não vamos tomá-la de volta. Nosso vínculo com Jesus é um casamento sem divórcio. Assim deve ser nossa dedicação ao Senhor. Entreguemo-nos completamente e definitivamente. Aquele aroma maravilhoso se propagou pela casa e atingiu a todos. Assim é o efeito do testemunho silencioso de uma vida derramada na presença de Deus. Mesmo os que quiserem ignorá-la não poderão. Diante daquele exemplo de desprendimento, alguns disseram: "Que desperdício!" Essas palavras poderão ser ouvidas ainda hoje por aqueles que se dedicam ao Senhor. Alguém poderá dizer que estamos desperdiçando nosso tempo, nosso dinheiro, nossa juventude, nossa vida, etc. Entretanto, nossa dedicação a Deus não é desperdício, é investimento. Tudo o que entregamos ao Senhor será como uma semente lançada ao solo. O ato de semear pode parecer um desperdício. Parece que o semeador está jogando fora as sementes. Porém, no dia da colheita, o trabalhador se alegra com o fruto do seu labor. Naquele instante, até os pobres foram lembrados. O discurso daqueles defensores dos pobres parece até uma tese da Teologia da Libertação. O fato é que qualquer argumento será usado por aqueles que querem tirar nossa atenção do Senhor. Muitos querem que desviemos nossa visão de Jesus para nos dedicarmos a outras causas, que podem até ser nobres e feitas em nome de Cristo, mas não devem tomar o lugar de Deus em nossas vidas. É verdade que, quando ajudamos aos pobres, estamos fazendo a obra de Deus, e devemos fazê-lo, mas isso não substitui uma experiência pessoal com Jesus Cristo. O amor ao próximo é importante, mas não é tudo. O primeiro mandamento é o amor a Deus. Logo, se alguém vive se dedicando ao trabalho social, mas não é convertido nem obediente a Deus, está praticando obras mortas, sem valor espiritual. As obras de caridade não têm o poder de salvar ninguém. Contudo, se somos convertidos e fazemos boas obras, estas têm grande valor e por elas seremos recompensados. Notemos que Jesus não condenou a ajuda aos pobres. Ele disse que sempre teríamos os pobres conosco. Assim, poderíamos ajudá-los sempre. Entretanto, tal ajuda não substitui nosso culto e dedicação da vida ao Senhor através de um compromisso de obediência. Essa questão atinge também àqueles que acham que podem deixar de contribuir na igreja a fim de ajudarem lá fora a quem precisa. Na realidade, as duas coisas são importantes e devem ser tratadas na ordem correta de prioridades. O que nós estamos dando ao Senhor? Como estamos trabalhando pelo seu reino? Que Deus nos ajude a alcançar o nível de fazermos o melhor, de entregarmos o melhor e de colocarmos o Senhor acima de tudo em nossas vidas. Dessa forma, o bom perfume de Cristo será sentido em todos os lugares onde estivermos.


Anísio Renato de Andrade
Bacharel em Teologia
www.geocities.com/anisiorenato

Para você!!!

Photobucket

 
Voltar